Free website - Powered By Wix.com
Olhar/Mosaico em perspectiva de práticas e conhecimentos, políticas e artes africanas/diaspóricas. Apenas um biocaminho na esfera. Afim de experimentar toques e palavras, sons e ruídos, notas tortas e dissonâncias. Apalpando e sorvendo quase tudo, no cosmo, na Américafrolatina, quase na beira do Atlântico.Por desvelar e re-conhecer as partes e o todo na busca do estar pleno no mundo, enquanto for.

SILVA, Salloma Salomão Jovino da. Bio-caminho

salloma Salomão Jovino da Silva, "Salloma Salomão é um dos vencedores do CONCURSO NACIONAL DE DRAMATURGIA RUTH DE SOUZA, em São Paulo, 2004. Professor da FSA-SP, Produtor Cultural, Músico e Historiador. Pesquisador financiado pela Capes e CNPQ, investigador vistante do Instituto de Ciências Socais da Universidade de Lisboa. Orientações Dra Maria Odila Leite da Silva, Dr José Machado Pais e Dra Antonieta Antonacci. Lançou trabalhos artíticos e de pesquisa sobre musicalidades negras na diáspora. Segue curioso pelo Brasil e mundo afora atrás do rastros da diápora negra. #CORRENTE- LIBERTADORA: O QUILOMBO DA MEMÓRIA-VÍDEO- 1990- ADVP-FANTASMA. #AFRORIGEM-CD- 1995- CD-ARUANDA MUNDI. #OS SONS QUE VEM DAS RUAS- 1997- SELO NEGRO. #O DIA DAS TRIBOS-CD-1998-ARUANDA MUNDI. #UM MUNDO PRETO PAULISTANO- TCC-HISTÓRIA-PUC-SP 1997- ARUANDA MUNDI. #A POLIFONIA DO PROTESTO NEGRO- 2000-DISSERTAÇÃO DE MESTRADO- PUC-SP. #MEMÓRIAS SONORAS DA NOITE- CD - 2002 -ARUANDA MUNDI #AS MARIMBAS DE DEBRET- ICS-PT- 2003. #MEMÓRIAS SONORAS DA NOITE- TESE DE DOUTORADO- 2005- PUC-SP. #FACES DA TARDE DE UM MESMO SENTIMENTO- CD- 2008- ARUANDA SALLOMA 30 ANOS DE MUSICALIDADE E NEGRITUDE- DVD-2010- ARUANDA MUNDI.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Aláfia e vigor da música negra.

Ola Parceiros Aláfia.





Divulgação e Produção da Banda


Quando vi esse nome pela primeira vez, pensei que se tratava do Ilê Aláfia do Jabaquara.....
Fiquei feliz de vê-los no Clarió Redentor  e de ouvi-los também. Tudo me pareceu tudo muito mbakana , vibrante, festivo, denso e forte.  Tudo pareceu afinado, afiado e cheio de reentrâncias e subidas de ladeira com as mãos e ancas livres, mas com peso na cabeça. Tradição para soltar o corpo mesmo sob tensão.
Eu embora já combalido pelo horário tarde, pela idade e uma jornada semanal duríssima, tava curioso o bastante para ficar e beber.  Sou culturalmente afeito a beber e comer os temperos que estão chegando e ao mesmo tempo estão na beira da cena mais comercial.  Também não tenho purismo em relação ao  mercadão global que tritura tudo e joga fora rápido, já foi tempo.    
 A parte que mais gostei foram os gruves , assim na lingua dos colonizadores de cá. Letras muito boas tambem.....Dez caras, melhor  nove e uma fêmea bem louca no centro , encarnada de Nzinga. Nem Denise Asumpção, nem Aparecida, nenhuma das que estão já no telefone , ligand o para Paris ou em contato com Nzambi.  Ela que nem conhecia, mas agora sei que é e torço para que sobreviva a pressão dos homículos de plantão, com canção e poesia.
No mais sigo a guerrilha cultural que você travam.  Um discurso ideológico  bem étnico negro para uma banda bem mestiça. Deve ser interessante o debate interno para levar essa marimba em público.    Anti-racista convertido em arte.  As vezes o discurso vai lá no céu, mas o som não decola, por outras vezes é o contrário. Voces conseguiram um difícil equilíbrio.




Divulgação e Produção da Banda



Fiquei pensando nas dificuldades das bandas negras e periféricas das décadas anteriores, até mesmo o acesso a um instrumento de qualidade, incidia sobre o fator estético e técnico.  Uma mudança significativa ocorreu do ano 2000. pra cá. ao menos  vejo isso no som de voces e no Kimbuta , também no Ba- Boom e bem solto no Buia. Me afino com a coisa de  incorporação dos sopros em grande estilo, uma coisa que pobreza material havia nos destituído  desde o fim das gafieiras ( a miséria dos negros aumentou enormemente) e que vinha de uma tradição desde os aerofones da região dos lagos, dos Banda e Linda, por exemplo ( os europeus despirocaram  e  pensaram que fosse música concreta, antes do concretismo existir, rsssss) .
Depois de algumas décadas fazendo e ouvindo música, acordando e dormindo música e gostando de música feito por gente, torcendo por gente negra feito eu, observei várias coisas acontecendo:
Durante toda cena dos anos 1980, só tinha um preto nas bandas dos brancos, (baixista do Legião urbana, Negrete eu acho). Duas Bandas Negras Obina e Cidade Negra (antes Lumiar).  Entretanto fora desse circuito tinham Itamar, Di Melo, e todos os remanescentes dos anos 1970, Dafé, Cassiano, Tornado, Tim, e mais e mais e mais.  Em 1984 estava em Rio Vermelho, Kabula  e Curuzu olhando para cena onde Muzenza, Lazzo e Edson Gomes despontavam.



Divulgação e Produção da Banda

Tem muita sonzeira que rola por ai..... Temos uma cultura musical que continua sendo muito rica, embora o mercado de consumo de música continue a ser extremamente seletivo e operado por deuses sem alma, cujos nomes nem sabemos ao certo .
A música, o ambiente e a iluminação podem, ao menos  por algum momento nos dar uma potência que nem vem de nós.  Usamos bem essa potência ou não. Não é mágica, mas tem magia, pergunte aos mais velhos que eu, especialmente Lumumba, TC, Crespo e vários que se mantiveram sãos, salvos e criativos.  Há uma alegria que , se sincera pode ser usada como combustível filosófico e espiritual, político e social. Um bagulho que é uma espécie de espada de reversão, entendem?
Já aclimataram Kuti, parabéns. África teórica vocês cantam, África telúrica eu diria, África sonora, África dos delírios, quem pode pegar África com as mãos. Ou com o coração se captura Áfricas? No mais é arrogância o estandarte da melhor África, em sendo a minha. Em litígio com quem? Resquício da rinha? Não sei. As miragens e ilusões são também criações humanas. Inclusive precisamos delas.
    
Aventei pra mim hipóteses sobre o som que estarão fazendo daqui a dez anos. O liquidificador é foda. Mas no meu íntimo eu os vejo cozinhando raízes de inhame e lambendo os beiços.  Quero estar aqui para sorver, beber, dançar sem culpa e sem medo sob as células ancestres e fragmentos digitais dos ngomas contemporâneas de vocês.
Sobre Banda Linda veja: http://onpoint.wbur.org/2010/02/22/the-hum-of-life
Trombetas de madeira do povo Banda-Linda, 1970s. (Foto: Simha Arom)

  
Abs
Salloma