Free website - Powered By Wix.com
Olhar/Mosaico em perspectiva de práticas e conhecimentos, políticas e artes africanas/diaspóricas. Apenas um biocaminho na esfera. Afim de experimentar toques e palavras, sons e ruídos, notas tortas e dissonâncias. Apalpando e sorvendo quase tudo, no cosmo, na Américafrolatina, quase na beira do Atlântico.Por desvelar e re-conhecer as partes e o todo na busca do estar pleno no mundo, enquanto for.

SILVA, Salloma Salomão Jovino da. Bio-caminho

salloma Salomão Jovino da Silva, "Salloma Salomão é um dos vencedores do CONCURSO NACIONAL DE DRAMATURGIA RUTH DE SOUZA, em São Paulo, 2004. Professor da FSA-SP, Produtor Cultural, Músico e Historiador. Pesquisador financiado pela Capes e CNPQ, investigador vistante do Instituto de Ciências Socais da Universidade de Lisboa. Orientações Dra Maria Odila Leite da Silva, Dr José Machado Pais e Dra Antonieta Antonacci. Lançou trabalhos artíticos e de pesquisa sobre musicalidades negras na diáspora. Segue curioso pelo Brasil e mundo afora atrás do rastros da diápora negra. #CORRENTE- LIBERTADORA: O QUILOMBO DA MEMÓRIA-VÍDEO- 1990- ADVP-FANTASMA. #AFRORIGEM-CD- 1995- CD-ARUANDA MUNDI. #OS SONS QUE VEM DAS RUAS- 1997- SELO NEGRO. #O DIA DAS TRIBOS-CD-1998-ARUANDA MUNDI. #UM MUNDO PRETO PAULISTANO- TCC-HISTÓRIA-PUC-SP 1997- ARUANDA MUNDI. #A POLIFONIA DO PROTESTO NEGRO- 2000-DISSERTAÇÃO DE MESTRADO- PUC-SP. #MEMÓRIAS SONORAS DA NOITE- CD - 2002 -ARUANDA MUNDI #AS MARIMBAS DE DEBRET- ICS-PT- 2003. #MEMÓRIAS SONORAS DA NOITE- TESE DE DOUTORADO- 2005- PUC-SP. #FACES DA TARDE DE UM MESMO SENTIMENTO- CD- 2008- ARUANDA SALLOMA 30 ANOS DE MUSICALIDADE E NEGRITUDE- DVD-2010- ARUANDA MUNDI.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Aparelha Luzia e A diáspora Reversaa

https://pt.wikipedia.org/wiki/Luzia_(f%C3%B3ssil)


Parte da mundo branco brasileiro esta obssecado pela idéia do Racismo Reverso. Algo bastante compeensível.
Mas Diáspora Reversa nasceu como projeto de pesquisa de pós-doc com Marina Melo na USP, mas depois de lagum tempo perdeu o sentido como pesquisa acadêmica, mas sobreviveu no interior do meu interesse pela cultura musical de maneira geral, pelas africanas e afrobrasileras em especial.
O DVD e Livros prontos, ou ao menos uma primeira versão de ambos, é hora de dar um retorno social do investtimento cultural que veio via PROAC- edital de culturas negras, da Secretaria Estadual de Cultura.
Tres  atividades de divulgação já foram realizadas. Uma dentro do Projeto Baobá, à convite do amigo Thiago Cairu.  Outra a convite da porfessora Maria Cristina Cortez da Silva W. no NAP, núcleo África de Pesquisa, na USP.



O terceiro consitiu em um encontro musical precedido de apresentação do filme na Aparelha Luzia nos dias 27 e 28 de maio.
A Aparelha tem um astral muito acima da média das casas norturnas da fria SP. Erica Malunguinho traz em si uma nova forma de pensar e entender as afetividades contemporâneas e cria um ambiente de seriedade e elaboração estético-política com seu discurso e performance. A equipe que atua lá, toda toda tem algo a dizer sobre as conexões entre, artes, afetividades e negritudes. Tudo isso combinado à boa comida e acolhimento torna tudo forte, viceral e ao mesmo temo delicado. Gratidão a todos que trabalharam sabado e domingo para que o evento acontecesse. Obrigado a todos que colaboraram para duas noites que marcam minha trajetória na construção da SAMPA NEGRA- Periferia, contracultura e antirracismo. Saravá Nzambi, Axé. Carla Guerra, Guilherme Braz, Diego Champis, Gabriel Rodrigues, Marta de Paula, Lerio Carlos, James Banto, Denna Souza, Luana Bayo, Fernando Alabê, Marttinha Soares, Eloiza Paixão, Estela Paixão, Fabricio Invasor, Anna Raquel, Ana Cristina e toda gente linda, numa cidade murada.
 Por Ciça Pagu

"Ontem estive em dois lançamentos extremamente ricos e diferentes entre si. O primeiro foi o de "Refusões" contendo a poesia de Marcelo Tápia, grande professor e amigo, na Oficina Oswald de Andrade. O outro foi o lançamento do livro, cd e Dvd "Diáspora Reversa" de Salloma Salomão Jovino da Silva no Aparelha Luzia, lugar incrível de resistência cultural preta. Adorei o Cd "atempo" de Marcelo Tápia e os seus poemas mais recentes, gostei de rever poemas seus antigos republicados nessa antologia. Adorei a música e a pesquisa de Salloma. Marcelo muito influenciou meu trabalho e tenho certeza que Salloma será também importante em meu caminho. Recomendo!"





comentário de Alê Almeida.
"Foi lindo, viu?
Agora, estou ouvindo o "Memórias sonoras da noite"... Feliz aqui."
 
 
 
 
"noite, noite especial, orixás dão saudações a beleza do encontro mágico, sentir, nos conhecendo e não precisamos ter medo de nos olhar, somos belos, não importa os esteriótipos, sua razão sempre será opressão, minha realidade traz resistências das sementes geradas pelos nossos ancestrais, e cantando nós na geração de sementes, silêncio de abraçarmos toda esta constelação, pretas estrelas quebrilham, noite especial, leve trazendo transpiração para continuar este conhecimento interno que se faz através de Àfrica, precisamos olhar o outro nossas trocas são fundamentais, estas armas do conhecimento, arte devemos guardar como simbologia do que está sendo realizado...esta arte demonstra que temo que ensinar o que civilizar...a ação é nossa agora, parabéns, amei, obrigado Salloma..."